Ela é um dos rostos mais conhecidos do Manifesto. Dificilmente alguém que nos visita não é cumprimentado por ela. Ou mais, provavelmente essa pessoa conhecerá  toda a nossa estrutura sob o comando da sua visita guiada.

Izadora de Melo Barros, ou apenas Iza (como todos a conhecemos), 23 anos, é advogada e, além do Direito, já foi voluntária na maior organização estudantil do mundo, a Aiesec.

Muita coisa aconteceu até Iza chegar ao Manifesto e nos presentear com seus múltiplos talentos. Conheça um pouco mais sobre ela na entrevista abaixo.

Blog do Manifesto: Como você teve seu primeiro contato com o mundo do coworking? Em que momento surgiu a ideia de trabalhar em um?

Iza: Há algum tempo vi o nascimento de um coworking em São Paulo, a partir de um grupo que eu ajudava a administrar no facebook e me despertou o interesse pelo mundo do trabalho colaborativo, mas não imaginava me envolver tanto até saber que o Léo [Ornelas, sócio] estava abrindo o Manifesto. Nós nos conhecemos desde o ensino médio, então tomei liberdade para pedir uma chance e aqui estou.

Mas e o Direito?

Nesta época, eu estava esperando o resultado da OAB e mandei uma mensagem para o Léo falando que se ele fosse contratar alguém para trabalhar no começo do coworking, eu tinha muito interesse. Saiu o resultado da OAB e eu havia passado. Logo após isso o Léo me perguntou se eu continuava interessada ou ia advogar. Meu sonho sempre foi empreender, então me joguei no Manifesto sem pensar duas vezes.

Ao longo de sua carreira, que momentos considera mais importantes para o seu crescimento profissional?

Apesar da pouca idade, já trabalhei bastante e em locais bem diferentes. Levo cada experiência como um aprendizado, mas acredito que ter mudado totalmente de área e ter começado a trabalhar em uma empresa que nascia do zero, sem experiência na área, foi um dos meus maiores desafios.

E para o crescimento pessoal?

Sem dúvida nenhuma o que mais contribuiu para o meu crescimento pessoal foi um intercâmbio voluntário para Colômbia que fiz em 2016. Me mudou de dentro pra fora!

A sua tarefa hoje exige que tipos de sacrifícios?

Eu acredito que a maior consequência de levar o empreendedorismo como profissão é a falta de tempo, a ausência da família e dos amigos. Além de trabalhar todos os dias no Manifesto, comecei um empreendimento pessoal em paralelo e ambos tomam o meu dia inteiro.

Que legal! Sobre o que é o projeto? Como você atua nele?

Eu abri a Enave junto com o meu namorado. É um e-commerce de produtos criativos focados em momentos. É tudo produção própria e cuidamos juntos da marca, marketing, produção, entrega, mídias e todo o resto sozinhos, o que acaba exigindo bastante de mim também.

Qual a receita para se manter uma profissional relevante e competitivo na sua área de atuação?

Acho difícil responder dentro da minha área de atuação, porque no manifesto eu passo por todas as áreas, mas acredito que é ser proativa e estar sempre aberto para as novidades, além de estudar e ler bastante sobre tudo que esteja relacionado a assuntos da sua rotina e seus objetivos profissionais para que possa construir projetos cada vez mais legais e atuais.

Do que você mais gosta em trabalhar no Manifesto?

Além da liberdade de fazer, em que posso sugerir e colocar em prática eventos, ideias, cursos, experiências, entre outros, o que mais gosto é o contato direto com pessoas envolvidas no meio empreendedor de Brasília. Diariamente aprendo coisas novas ao conversar com alguém durante um café, ou atendendo um cliente para mostrar o espaço. Gosto da oportunidade de conversar por um tempo sobre temas diversos relacionados a coworking's e empreendedorismo com pessoas de meios diferentes, e o Manifesto possibilita muito isso.

Que conselhos daria a quem quer enveredar pela mundo do empreendedorismo?

Estuda muito! Para você ser um empreendedor você tem que estar disposto e habilitado para fazer de tudo um pouco. E faça networking! Compareça em palestras, cursos, eventos e esteja presente em meios relacionados. Estar em contato com essas pessoas ajuda muito em todo o processo!

Agora falando mais da vida pessoal, que programas você costuma fazer para se divertir?

Eu amo o lago paranoá e gastar horas em volta dele dando risadas e conversando. Apesar de amar escutar música e cinema nunca fui muito apegada a músicos ou estilos específicos. Escuto e assisto de tudo.

E para se reciclar profissionalmente? O que acha relevante fazer?

Brasília está em um momento incrível em que estamos tendo diversos cursos e eventos interessantíssimos em nosso meio. É importante estar antenado e fazer alguns para saber o que estamos tendo de relevante no mercado.

Pratica alguma atividade paralela?

Trabalhando 12 horas por dia, minha única atividade paralela é dormir mesmo.

Se tivesse que eleger três características suas para dizer que são marcas registradas, quais seriam?

Acho tão difícil falar de mim mesma, mas acredito que proatividade, criatividade e ser muito sorridente. Hahaha. Os residentes até perguntam se eu estou doente quando não estou rindo!

O que preza em um bom ambiente de trabalho?

Comunicação! Acredito que o maior problema nas empresas hoje em dia é a falta de uma comunicação transparente e clara.

Na sua opinião, o que uma pessoa deve saber antes de decidir se envolver com a economia colaborativa?

Primeiramente a pessoa tem que ser boa em compartilhar. Estamos vivendo uma mudança de era em que as pessoas se viam como concorrentes e não se ajudavam, hoje vivemos uma fase em que compartilhar é gostoso e justo, todo mundo tem algo para acrescentar e auxiliar. Não somos concorrentes, somos parceiros. Há espaço para todos. Vamos nos ajudar!

Quer conhecer um pouco mais do nosso time? Venha tomar um café e conversar um pouco com a gente!